Houve uma época em que era muito difícil eu sair da cama de manhã. Eu enrolava, apertava o soneca do alarme 10 vezes, e quando não dava mais, saía da cama me arrastando.

natalia-rosin-porque-levantar
foto cortesia por pixabay/RyanMcGuire

Meu marido que, quando casamos, fez uma promessa fofa de fazer café preto pra mim toda manhã (ele não gostava e mesmo assim fazia todos os dias pra mim – sim, eu tenho o melhor marido do mundo <3), já estava com uma caneca de café enorme pronta pra mim.

Eu sentava no sofá e tomava aquela caneca, sem conversar com ninguém, até o café fazer efeito e eu conseguir me arrastar até a mesa pra aí sim comer meu café da manhã, arrumar a Cecília para escola, me arrumar para o trabalho e sairmos juntos de casa.

E assim eu vivi por alguns anos.

Por que eu levantava da cama de manhã?

Porque eu tinha que levantar.

Se você é como a maioria das pessoas, você levanta da cama porque TEM que levantar. Porque você tem que estar em algum lugar, tem que fazer alguma coisa ou tem que cuidar de alguém.

Quando nós achamos que só estamos levantando porque alguma dessas coisas está nos obrigando, nós nos “rebelamos”. De uma forma muito engraçada: apertando o botão de soneca mil vezes e resistindo até último minuto possível.

O que a gente não se dá conta é que a nossa resistência em levantar está mandando uma mensagem pro mundo e pra nós mesmos:

Nós preferimos ficar presos na cama, enrolando, sem fazer coisa alguma, ao invés de levantarmos para vivermos, para criarmos a vida que nós dizemos que queremos.

Pode não parecer, mas isso realmente tem um sentido mais profundo do que pensamos. Cada vez que você e eu apertamos o botão da soneca, estamos resistindo ao dia, à vida, ao que podemos criar de significativo.

Eu estou lendo o livro The Miracle Morning, do Hal Elrod, e ele cita a seguinte frase:

“O primeiro ritual que você faz no seu dia é de longe o ritual mais importante, porque ele tem o efeito de definir a sua mente, e definir o contexto, para o resto do seu dia.” Eben Pagan

Se tem uma coisa que eu pude experimentar é que como você acorda quase sempre vai ditar o tom do restante do seu dia.

Os dias em que eu acordo porque eu QUERO acordar, não porque tem uma agenda logo cedo esperando por mim, são os melhores.

Os dias em que eu tenho meu momento sozinha, de reflexão, leitura e escrita, antes da casa acordar, do dia começar de fato, são os mais produtivos e centrados.

Eu nunca fui de acordar muito cedo. Mas pra ter essa rotina matinal antes de entrar nas atividades do dia, eu precisei escolher intencionalmente acordar cedo. (Aqui neste post eu conto como eu fiz para passar a acordar cedo).

Talvez o que você precise seja somente uma mudança de palavras na sua conversa interior:

  • Troque o “Não acredito que já está na hora de levantar…” pelo “Essa é a melhor hora para eu levantar, que bom que eu pude dormir X horas essa noite!
  • Mude de “Eu não quero acordar.” para “Eu quero acordar e ter o melhor dia que eu puder ter!
  • Ou tire o “Que droga, tenho que acordar para trabalhar.” e coloque o “Que bom que eu tenho um trabalho pelo qual acordar todo dia!
  • E ao invés de dizer “Eu tenho que acordar às 6h.“, passe a dizer “Eu quero acordar às 6h.

Acordar com propósito e paixão pode mudar tudo na sua vida.

E você, por que levanta da cama todos os dias?
Porque você QUER acordar ou porque você TEM QUE acordar?


dicas-achar-paixao-natalia-rosin-rodape-post-3