O que eu aprendi sobre equilíbrio entre vida pessoal e trabalho

Um dia, cedo ou tarde, você pára pra pensar sobre o que está fazendo com a sua vida.

E nessa pausa, quase sempre o ponto de questionamento é: Será que estou trabalhando demais e deixando outras coisas de lado?

(Se você ainda não parou pra pensar nisso, fica calmo. Um dia você vai… Um dia…)

natalia-rosin-equilibrio-vida-trabalho
foto cortesia de malinkrop

E é aí que nós começamos a refletir sobre equilíbrio entre vida pessoal e trabalho.

  • É possível?
  • O que é mais importante pra mim? Quais são os meus valores de vida?
  • Um dia eu vou me arrepender do caminho que estou trilhando?
  • Eu me sinto realizado de forma plena com a jornada que estou vivendo agora?
  • Como dar atenção a outras áreas da minha vida, quando eu preciso me matar de trabalhar para fazer dinheiro para sustentar meu estilo de vida/minha família?

Eu já tive que responder essas perguntas um dia, quando elas começaram a ficar muito insistentes na minha cabeça, e quando eu não pude mais ignorá-las.

E eu aprendi um par de coisas desde então. Coisas que eu quero compartilhar com você:

1) Equilíbrio absoluto é balela.

Uma coisa que eu aprendi é que não existe equilíbrio absoluto.

Nunca vai chegar um momento da sua vida em que você vai dizer: Agora sim! Agora eu estou em equilíbrio perfeito em todas as áreas da minha vida e posso ser feliz para sempre!

O que existe e é possível é o ato de equilibrar, de balancear.

O substantivo equilíbrio é inalcançável.
O verbo equilibrar é possível.

“A ideia de balancear é que você nunca vai longe demais, a ponto de não conseguir encontrar o caminho de volta, nem fica lá a ponto de que não exista nada esperando por você quando retornar.” Gary Keller

É como se você estivesse fazendo pequenos movimentos de um lado para o outro ao longo de um dia, de uma semana, de um mês, de um ano… de forma a dedicar tempo para todas as coisas que são importantes para você.

Essa é a ideia de equilibrar.

E também não adianta ser ingênuo ao ponto de achar que você pode fazer tudo que é importante, em todas as áreas, em um único dia. Você vai precisar expandir suas atividades ao longo da semana, do mês, do trimestre…

2) Aproveitar melhor o tempo no trabalho

Uma das coisas que eu aprendi quando, por exemplo, decidi tirar a Cecília da escolinha integral e manter só meio-período foi a aproveitar melhor minhas horas de trabalho.

Hoje, na maioria dos dias, eu só trabalho em um bloco de 4 horas pela manhã e 1-1.5h à noite, e me esforço ao máximo para não gastar nada desse tempo com inutilidades e distrações.

O restante do dia é dedicado a mim (ler, fazer atividade física, me alimentar bem, meditar…) e à minha família.

Se você é como o típico trabalhador, você passa 8h, no mínimo, no trabalho, intercalando trabalho de verdade com inutilidades, futilidades e conversas na mesinha de café ou no corredor.

(Não que eu esteja dizendo que você não pode socializar com os colegas de trabalho, longe disso…)

E aí, qual é o resultado dessas distrações? Você leva trabalho pra casa ou fica até mais tarde para dar tempo de fazer tudo que precisava ter feito naquele dia, para cumprir um deadline.

Isso, em detrimento do seu tempo em família, do cuidado da sua saúde, do seu momento de relaxar.

3) As pequenas coisas importam

Eu sei o que você deve estar pensando a essa altura…

“Mas, Natália, eu já não tenho tempo pra nada. Eu TENHO que trabalhar muitas horas por dia e ainda perco tempo na ida e volta do trabalho. Você ainda quer que eu enfie mais coisa na minha rotina apertada?”

Eu te entendo…

Mas o que eu aprendi é que você não precisa pensar em fazer apenas coisas grandiosas. Se eu puder ser extrema, posso dizer que são as pequenas coisas que mais importam.

Fazer um telefonema para os seus pais no horário de almoço ou almoçar com um amigo, ler 15 minutos do seu livro favorito enquanto está no transporte, contar uma história para o seu filho na cama…

Nada disso é algo que toma muito tempo. E são coisas que você pode fazer com frequência de forma que o poder incremental delas podem trazer um resultado positivo gigantesco na sua vida.

E pra finalizar, olha uma analogia interessante que esbarrei outro dia:

“Imagine que a vida é um jogo no qual você manuseia cinco bolas. As bolas são trabalho, família, saúde, amigos e integridade. E você mantém todas no ar. Mas, um dia, você vem a entender, finalmente, que o trabalho é uma bola de borracha. Se você derrubá-la, ela quica de volta. As outras quatro – família, saúde, amigos e integridade – são feitas de vidro. Se derrubar uma, ela será irrevogavelmente arranhada, rachada, talvez até se estilhace de vez.” James Patterson

Pense nisso e deixe sua resposta aí nos comentários: O que você poderia fazer para equilibrar melhor sua vida pessoal e trabalho?


dicas-achar-paixao-natalia-rosin-rodape-post-3

  • André Valle

    Bem, equilibrar é preciso! Mas me pergunto sobre os sonhos, que tem uma trajetória para alcança-los e, às vezes, você tem que sacrificar muitas das coisas importantes também na vida. Eu até entendo que, por ter trabalhado tanto tempo na área de produção de vídeo e animação, perdi algum tempo da minha família, mas as noites em claro, os virotes normais e exagerados da área de publicidade faziam e, apesar de estar longe disso hoje, sei que acontecem.Entendo que é por uma grande falta de planejamento e, infelizmente, a ponta do processo é que mais sofre. O Cliente aprova na sexta-feira, às 18:00h, quase no final da prorrogação e o prazo, ah! o prazo é para segunda, até às 09:00h, para apresentar. O Cliente dormiu e se divertiu tranquilo no final de semana enquanto você se matava de tanto trabalhar. Estou dizendo tudo isso, porque hoje aos cinquenta anos entendo que isso era a pior parte de todo o meu trabalho e, mesmo sabendo que era errado, eu fazia, reclamava, mas como as contas estão sempre batendo à nossa porta, se eu não fizesse, outro faria e lá ia o leitinho das crianças. Eu deixei de fazer medicina na época porque queria viver o melhor dos meus filhos pequenos e, hoje, entendo que poderia ter feito, que o tempo que eu dediquei à minha família seria o mesmo se estivesse estudando.
    Tenho cinquenta anos, como disse, mas ainda tenho sonhos a realizar, o da medicina e muitos outros.
    Hoje os meus filhos estão adultos e espero que eles entendam que podem e devem fazer diferente.

    • André, mais do que liderar com palavras, nós lideramos com nosso exemplo. Espero que seus filhos vejam em você o exemplo de alguém que corre atrás dos sonhos, e que nunca é tarde pra isso.
      Obrigada pelo seu relato!