5 Maneiras para Desenvolver a Resiliência

Resiliência é a habilidade de lidar com mudanças e se adaptar. É a capacidade de enfrentar as adversidades sem pirar. É quando você não deixa a situação definir quem você é.

natalia-rosin-resiliencia
foto gentilmente cedida por gratisography

Pensando sobre isso, e intrigada com a pergunta “Como Desenvolver a Resiliência?” que me fizeram, eu sentei com papel e caneta pra relembrar e escrever o que eu já aprendi nessa vida que eu possa compartilhar aqui.

Porque eu acredito que isso pode ser aprendido e incorporado como hábito na vida de qualquer um.

É por isso que eu falei que ser resiliente é uma habilidade. Habilidades podem ser aprendidas. Mas como?

1) Sendo autor, e não vítima

Quando você entende que não é o problema, a situação, que te afeta, mas a SUA resposta ao problema, você passa a ser autor da sua vida.

Às vezes é mais fácil e aconchegante e quentinho ser vítima e contar com a simpatia dos outros, mas isso acaba sendo uma armadilha, porque não te traz nenhum bem. Sim, é difícil ser autor, é difícil assumir a responsabilidade por quem você é, quem quer ser e pelos resultados que você tem na sua vida.

Mas é o melhor caminho.

2) Aceitando os fracassos

Quando você encara a vida como uma jornada de altos e baixos, quando você pára de sonhar com a utopia de uma linha reta ascendente em direção aos seus objetivos, você entende que os fracassos, apesar de pouco bem-vindos no momento que acontecem, são importantes para construir essa estrada, estreita e esburacada, para o sucesso.

natalia-rosin-resiliencia-sucesso

3) Fazendo as perguntas certas

Quando estamos diante de uma situação de crise ou adversidade, nós tendemos a fazer perguntas como

  • Por que isso sempre acontece comigo?
  • O que eu tenho de errado?
  • Por que eu sou tão azarado?

Perguntas altamente destrutivas!

Eu te convido a fazer perguntas diferentes, perguntas poderosas, e colocar as coisas sob uma outra perspectiva, olhar por outros ângulos mais positivos.

Não é ter complexo de Poliana, mas ao invés de fazer perguntas destrutivas, perguntar por exemplo:

  • O que essa situação torna possível?
  • Que conselho eu daria para um amigo nessa situação?
  • Qual foi 1 coisa boa que aconteceu hoje?

Porque existe aprendizado em todas as circunstâncias, principalmente nas não tão favoráveis.

4) Desenvolvendo hábitos saudáveis

Manter hábitos saudáveis é ESSENCIAL porque eles formam a base para te segurar nos momentos de crise. Seu corpo, mente e espiríto precisam estar saudáveis para aguentar o tranco quando algo não dá muito certo.

Nos últimos tempos, eu tenho passado por episódios difíceis, e eu devo a minha capacidade de não me deixar consumir por eles aos hábitos que eu construí pouco a pouco nos últimos anos. Eu não sou especial, qualquer pessoa pode usar desse “subterfúgio” de ter bons hábitos!

Alguns exemplos de hábitos que tem feito a diferença na minha vida:

O pior é que quando você está passando por um problema é que você larga mão de se exercitar, se afoga nos doces e besteiras… E isso só vai fazer a situação piorar.

A ideia aqui é que você já tendo o hábito formado e consistente, fica mais difícil de deixar a peteca cair totalmente e isso faz com que você consiga se segurar nos momentos difíceis.

5) Tendo um objetivo de vida pelo qual lutar

Acreditar em algo e lutar por isso é o que faz toda a diferença nas nossas vidas.

Encontre aquela coisa pela qual você esteja disposto a dar os passos necessários para alcançar, e dê o primeiro passo, e depois o outro, e depois o outro… um dia de cada vez.

Mover-se em direção aos nossos objetivos, mesmo que sejam por meio de pequenas ações diárias, tem o poder de mudar vidas!

natalia-rosin-resiliencia-o-que-é

Eu acredito que ser resiliente não é privilégio para poucos, para os escolhidos. Qualquer pessoa pode aprender a ser mais resiliente.

Pergunta: O que você poderia começar a fazer hoje para desenvolver a sua habilidade de ser resiliente?


 

dicas-achar-paixao-natalia-rosin-rodape-post-3

  • Amei o post! Sempre me considerei uma pessoa resiliente, mas acho que nos últimos anos tenho conseguido cada vez mais praticar a resiliência de forma consistente.

    De todas as dicas citadas, pra mim a mais preciosa é “ser autor e não vítima” das situações que nos acontecem. Acho que antes eu me via como vítima da vida com mais facilidade, mas depois que fiz o Empretec há dois anos, uma das primeiras coisas faladas durante o curso é sobre a opção de nos tornarmos responsáveis pelas nossas decisões e consequências, ou ficar a vida toda se achando vítima e não poder fazer nada… ser autor nos empodera a mudar tudo, mesmo quando “falhamos” na vida, ser vítima só nos permite lamentar.

    Agora (depois do turbilhão dos primeiros meses com um bebê, haha) quero me concentrar em desenvolver alguns hábitos mais saudáveis, como mudar um pouco a alimentação e ter um tempo de qualidade só para mim. :)

    • Oi Juli! Que bom te ver por aqui! É isso aí mesmo, resiliência é prática constante. Obrigada por deixar um recado aqui :)

  • Sara Nascimento

    Muito bom! Já baixei o e-book e agora vou conferir os posts linkados.

    Obrigada pelas dicas!